Com o falecimento, a única forma de regularizar os bens deixados é através de um inventário.

 

   Este é um serviço altamente burocrático que envolve a legislação civil e tributária e a atuação de um advogado é obrigatória, quer seja um inventário judicial ou extrajudicial (no cartório).

      Através do inventário todos os bens são divididos entre os herdeiros dentro da lei, liberando os mesmos para serem vendidos ou distribuídos entre eles  conforme a porção legal de cada um.

Evite Conflitos Desnecessários Entre os Herdeiros.​

Faça o Inventário!

Todo Procedimento de Divisão dos Bens

Feito Dentro da Lei! 

invent%C3%A1rio%202_edited.jpg

Consulte-nos sem custos e sem compromisso!

FAÇA SEU INVENTÁRIO COM A GENTE

SEM SAIR DA SUA CIDADE!

PRECISANDO FAZER INVENTÁRIO ??

botao-de-whatsapp-3d.png

Você Pode Optar pelo Atendimento Presencial ou Pelo Nosso 

 Atendimento Online! 

Como a Moreno Advocacia pode te ajudar?

   

       Fazer o Inventário é valorizar os bens deixados, evitando discussões entre os herdeiros.

        A Moreno Advocacia possui 14 anos de experiência na preparação de Inventários e equipe de advogados preparada para atender com rapidez e eficiência todo o processo de inventário, orientando você em toda a documentação necessária.

      Você poderá acompanhar em tempo real o andamento do processo através de uma senha de acesso pelo nosso site ou pelo nosso  Atendimento Online através da nossa Central de WhatsApp.

 Todo 0 processo será feito na cidade de sua residência ou no local do Inventário,

de acordo com a legislação! 

Ao final do Inventário você receberá toda a documentação necessária para os registros dos direitos dos herdeiros nos órgãos públicos e para a venda dos bens, se assim desejar!

   

 CONSULTE-NOS SEM CUSTOS E SEM COMPROMISSO! 

Para te ajudar, abaixo apresentamos uma breve explicação sobre Inventário.
 Caso tenha outras dúvidas, Fale com a Gente! 

1 - O QUE É INVENTÁRIO?

O inventário é o primeiro procedimento a ser feito após a morte de um proprietário. Ele define a herança, à medida que identifica tanto os herdeiros quanto os bens, direitos e dívidas deixados pelo falecido para se chegar à herança líquida, que é o que de fato será transmitido.

A ação de inventário deve ser proposta por um dos herdeiros dentro dos 60 primeiros dias após o óbito, há pena de multa caso ultrapasse esse prazo. Mas onde fazê-la?

 

Bem, existem dois caminhos para isso. O primeiro deles é pela via extrajudicial, realizada no cartório mais próximo perante um escrivão.

 

Na ocasião, todas as partes assinam um Contrato Particular de Compromisso de Divisão e Partilha Amigável, indicando a concordância com o acordo firmado. No entanto, existem alguns requisitos para que o procedimento possa ser feito extrajudicialmente.

 

Acontece que não pode haver nenhum herdeiro menor ou incapaz, por exemplo. Também não podem existir conflitos entre os herdeiros, muito menos um testamento. Todos esses fatores afastam a possibilidade da via administrativa, tornando obrigatório o acionamento da via judicial.

A via judicial, por assim dizer, é cabida para todos os outros casos. Ou seja, se há conflitos, menores incapazes e/ou testamento, o inventário é obrigatoriamente feito em uma das varas de Direito de Família e sucessão. Nesse momento surge a figura do advogado de família, profissional especializado em direitos de herança que entra em cena no papel de intermediador, uma vez que tenta conciliar e unir as partes para o melhor desenvolvimento do processo.

2 - QUAIS SÃO AS FORMAS DE SE FAZER UM INVENTÁRIO?

O Inventário pode ser feito pela via Judicial ou Extrajudicial (no cartório)

O Inventário Judicial ocorre quando há testamento ou não há consenso entre os herdeiros com relação à partilha dos bens, ou ainda se forem menores de idade ou pessoa declarada incapaz pelo juiz. Esse procedimento também é obrigatório a contratação de um advogado ( de preferência um advogado especialista em inventário).

O Inventário Extrajudicial é um procedimento rápido com menos custos que o inventário judicial. Porém, para o inventário via cartório, é obrigatório à presença de um advogado ou defensor público, de preferência um advogado especialista em inventário.
Além disso, se faz necessário, que todos os herdeiros sejam maiores, capazes e estejam em comum acordo e que o falecido não tenha deixado testamento (com exceção aos casos de testamentos declarados inválidos, ou seja, revogado por juiz).

3 - QUAIS SÃO OS DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA O INVENTÁRIO?

Na hora de fazer o inventário, quer seja no cartório ou judicial, é necessário reunir uma série de documentos para listar a quantidade de bens, direitos e dívidas deixados pelo falecido.

 

Vale ressaltar, ainda, que todas as dívidas precisam ser quitadas com o patrimônio deixado.

Assim, deve-se reunir todos os documentos de posse para saber o que vai ser transmitido aos herdeiros.

 

Os documentos a seguir devem ser verificados e validados:

  • Documentos do falecido: RG, CPF, certidão de óbito, certidão de casamento – atualizada até 90 dias;

  • Certidão Negativa da Receita Federal e Procuradoria Geral da Fazenda Nacional;

  • Certidão Negativa da Receita Estadual

  • Certidão Negativa da Receita Municipal

  • Documentos do cônjuge, dos herdeiros e de seus respectivos cônjuges (RG e CPF, profissão, endereço completo, certidão de nascimento, certidão de casamento dos cônjuges – também atualizada até 90 dias);

  • Documentos de veículos;

  • Extrato bancário de conta corrente, poupança e aplicações do falecido;

  • Matrícula dos Imóveis

  • Escritura ou compromisso de compra e venda do(s) imóveis;

  • IPTU do(s) imóveis;

  • Qualquer outro documento sobre direitos que o falecido possuía (consórcio, empresa,  jóias, etc)

     Após o ínício do Inventário será feito o cálculo do Imposto ITCMD a ser pago.

    OBS: Em alguns estados do Brasil esse imposto é conhecido imposto de transmissão causa mortis (ITCMD) e deve ser pago até 180 dias da data do óbito.

4 - E SE O FALECIDO SÓ DEIXOU DÍVIDAS E NENHUM BEM?

É comum que os herdeiros não realizem o inventário devido à ausência de bens do falecido. Contudo, não deve-se ignorar a questão das despesas. Precisa-se resolver.

O inventário será feito de maneira diferente, com documentos e escrituras próprias para essa situação.

Na maioria das vezes, não há obrigação de quitar a dívida, mas somente a análise aprofundada por um profissional irá te orientar como agir.

5 - QUAL A IMPORTÂNCIA DO ADVOGADO NA REALIZAÇÃO DO INVENTÁRIO NO CARTÓRIO OU NO TRIBUNAL?

Quando abordamos inventário no cartório ou no tribunal, estamos falando, respectivamente, de inventário extrajudicial e judicial. Enquanto no primeiro, resolvem-se as questões em, no máximo, seis meses, o segundo dá um pouquinho de dor de cabeça, já que é mais demorado e burocrático.

Na maioria dos casos, o inventário no cartório é a melhor escolha, visto que é mais prático para todos os envolvidos. Apesar de existir a facilidade, isso não é motivo para a exclusão do advogado, visto que sua presença é obrigatória.

Em alguns casos, há a contratação de advogados baseada no valor dos honorários, o que nem sempre acaba sendo a melhor escolha pois é fundamental receber orientações e recomendações de um profissional competente. Além disso, essa escolha ainda pode influenciar na agilidade do processo.